Você acredita que o relacionamento tem um prazo pra acabar? Depois de um certo tempo é hora de encontrar novas pessoas, viver novas aventuras, rotinas, você acredita que a convivência e a monotonia acabam e não resta nem amor e nem a paixão. Algumas pessoas acreditam nisso e ainda dizem que tem um período para que isso aconteça; sete anos de relação.

Mas será que é realmente verdade? Fiquei sabendo por amigos sobre essa crise dos sete anos e resolvi pesquisar e escrever o meu ponto de vista sobre este assunto e além disso encontrei algumas informações que pode ajuda você a se livrar disso logicamente se você acreditar nela.

Meu ponto de vista;

A crise dos 7 vem tanto para você que namora há quatro anos ou a 8, 9 e ate mesmo aos 10. Nada mais é que o aglomerado de situações quando nos juntamos com outras pessoa, além disso temos a carga de filhos caso tenha algum, a carga de contas, obrigações que os casais contraem quando se casam ou resolvem morar juntos. Então não é que a crise não existem muito do que eu li, é tudo baseado na rotina, você vive pra um relacionamento e a ideia é fazer com que ele ao menos funcione e de certo, para isso tem que existir formas para que tudo não parece ao menos igual.

A crise dos 7 anos é nada mais que necessária para que o casal pause um pouco exponha tudo que tem de necessário pra por na mesa e assim JUNTOS, colocarem os pontos nos is corretamente e se prepara para a próxima crise que ao meu ver pode ser facilmente resolvida com um dialogo rotineiro entre o casal, digo isso pois estou em um relacionamento de 6 anos e não vemos uma briga ou crise como um final do mundo e sim como uma oportunidade para organizar o que possa esta desorganizado.

O que é a crise dos sete anos?

O termo “crise dos sete anos” se popularizou com o filme “The Seven Year Itch”, clássico de 1955 que, no Brasil, recebeu o nome de “O Pecado Mora ao Lado”. No enredo, o editor de livros Richard Sherman (Tom Ewell) aproveita que a mulher está viajando para se aproximar da vizinha sexy, vivida por Marilyn Monroe.

Enquanto cultiva fantasias com a moça, ele se dedica à leitura do livro “A Coceira do Sétimo Ano” (tradução do nome em inglês do longa), que trata da forte tendência masculina à infidelidade após sete anos de casamento. Os tempos são outros e o comichão, hoje, também atinge as mulheres. A crise dos sete anos é tratada como uma espécie de armadilha à espreita dos casais. Veja respostas para dúvidas comuns sobre o tema.

Mesmo não tendo comprovações cientificas alguns psicólogos acreditam que há cada 7 anos passamos por ciclos de vida onde acontecem mudanças biológicas e espirituais que todos nós atravessamos, do mais, os números do IBGE indicam que muitos divórcios acontecem entre o quinto e nono ano de casamento.

A verdade é que com o tempo os relacionamentos vão caindo na rotina, com a chegada de filhos a prioridade do casal vai mudando, a paixão e o apetite sexual, todo casal tem uma alta probabilidade de passar por crises no relacionamento, seja com um, com sete ou com quinze anos de relacionamento.

Algumas coisas podem ser o estopim da crise dos sete anos, é claro que muitas crises não aparecem do nada, e vem como ondas longas e podem ocorrer a cada 5, 7, 10 anos e alguns casos dessas crises são;

Rotina: A desgraça de toda relação, o casal não se dispõe a inovação, sair, fazer algo novo, sempre que se encontram é como se fosse tudo um roteiro já programado.

A chegada do primeiro filho: é um desafio para a estabilidade e desafio para a vida conjugal. Os dois precisam arranjar tempo para se ajustarem às necessidades do bebê.

A crise da meia idade: faz com que algumas pessoas se lancem em uma corrida para recuperar a juventude perdida, buscando aventuras e até novos parceiros.

Ninho vazio: com a saída dos filhos, o casal está sozinho depois de muito tempo. Isso pode trazer para a superfície problemas que estavam escondidos debaixo do tapete.

Aposentadoria: muitos casais não estão dispostos a gastar 24 horas por dia juntos, depois de anos vendo um ao outro só para comer ou dormir.

Calma, a crise dos 7 anos não quer dizer o fim da relação;

Você pode acreditar que todo o amor do começo da relação pode estar caindo por terra, mas não dizer que a paixão terminou.

O sentimento muda ao logo dos anos, existem fases e formas, depois de algum tempo tudo fica mais real e próximo, o que para algumas relações é um ponto positivo, tudo fica mais claro e honesto.

Como eu disse no ponto de vista lá em cima, a chamada crise dos 7 anos pode ser valiosa, uma vez que significa um ponto de inflexão, um aviso para você estar atenta e não negligenciar o seu parceiro e, em última análise, uma oportunidade para melhorar os aspectos que não funcionam e fortalecer o seu relacionamento.

Dicas para salvar sua relação da crise dos 7 anos

Crises são inevitáveis, porém você não precisa ficar parada esperando a tormenta passar. Siga essas dicas que podem ajudar o casal a passar por esse momento difícil.

Expressem seus sentimentos um para o outro

Não se trata de reprovar como se tivesse um vilão da história, mas sim de dizer o quanto vocês se querem. Um “eu te amo” sincero e no momento certo pode curar qualquer ferida aberta ou menos amenizar as dores.

Observe para seus erros

O que mais rola é que quando estamos no meio da crise, nos concentramos apenas nas falhas do nosso parceiro (a). Agora, comece a ver dentro de si e aceite os seus erros. Depois, encontre maneiras de mudar suas atitudes.

Peça perdão, desculpas, mas não a todo momento

É o mais difícil, mas, uma vez que você reconheceu seus erros, deve agora dar o próximo passo por mais complicado que seja. Pedir perdão liberta e dá oportunidade de curar feridas que, se ficarem abertas, serão um obstáculo para o relacionamento e elas poderão certamente crescer mais e mais ao longo do tempo.

Seja feliz, não importa o que aconteça

Você está baseando sua felicidade nos outros? Pode ser que você esteja com muitos problemas, que não vê quão maravilhoso é o mundo, em todos os sentidos. Relaxe e escreva uma lista de coisas que você gosta de fazer. Concentre-se nela e solte o seu parceiro e parceira ou faça junto. Encontre a felicidade em si mesma, você vai notar a mudança.

Esqueça as expectativas alheias

Pare de esperar que o seu parceiro ou que sua parceira aja de uma determinada maneira. Quando temos uma ideia de como queremos que as coisas sejam e elas não acontecem como esperado ficamos frustrados e até mesmo ferimos os outros com censuras. Todos vivem situações de modos diferentes, não se esqueça.

Abraços e beijos por todo o caminho

Quando ficamos com raiva ou triste, nos afastamos fisicamente. É um mecanismo de defesa natural. No entanto, verifica-se que uma das melhores terapias para corrigir problemas é através do contato físico. Aproveite!

Foque nas coisas boas

Crises podem se tornar um círculo vicioso em que só vemos o aspecto negativo. Deixe de lado os julgamentos e mantenha o foco no que no que você sempre gostou no seu parceiro (as razões pelas quais você se apaixonou). Às vezes, há aspectos mais surpreendentes que os defeitos. Você vai ficar feliz em achar isso.

Quebre a rotina

Quando o casal fica um bom tempo juntos, repetem atividades e acabam se entediando e caindo na rotina. Saiam e acabem com isso. Pode ser um passeio curto ou um fim de semana romântico. Torne-o divertido e veja a diferença.

Lembrem-se de seus melhores momentos

Lembre-se de histórias engraçadas que vocês passaram juntos. Veja fotos ou ouça músicas que compartilharam. Isso fará com que voltem a sentir emoções adormecidas.

Conversem

Uma das reações comuns que temos ao nos sentirmos vulneráveis é permanecer em silêncio. Sente e converse (com uma bandeira branca da paz) e diga o que pensa. Sem reprovações ou julgamentos, apenas dê a ele a oportunidade de ver as coisas de forma diferente.



Como superar a crise dos 7 anos

Expressem seus sentimentos um para o outro, conversem muito e muito, como dito o diálogo muitas vezes falha em uma relação, reconstrua isso, conversem, respeite o momento de fala do outro, antes de interpretar confira se entendeu certo, não crie diálogos sozinho após uma discussão, os coloque em prática.

É necessário criar momentos de aproximação com o parceiro, seja na questão sexual ou recordando os sentimentos especiais que levaram você a se apaixonar. A relação precisa ser fortalecida porque, como foi dito no outro tópico, novas crises devem acontecer e caso os dois estejam estremecidos, o casamento não irá sobreviver.

Além de preservar o diálogo, é extremamente importante que o casal converse, discuta, brigue quase todos os dias e tenha em mente que a vida não é um mar de rosas, mas que juntos podem deixar tudo ainda melhor do que já estar, então procurar conversar sempre para saber como estão as coisas, o que precisa mudar melhorar, é necessário e um ponto positivo para sair de qualquer crise.