Tudo sobre a dificuldade em ter orgasmos

O que é anorgasmia feminina?

A anorgasmia pode ser definida como um transtorno (ou ausência ) do orgasmo durante uma fase de excitação erótica normal, mesmo que a pessoa em questão tenha recebido o estímulo adequado.

Essa condição não é exclusiva para as mulheres, ela pode afetar também os homens porém, é mais frequente no sexo feminino, com uma incidência entre 16 e 30%. Nos homens aparece com uma frequência de cerca de 10%.

Diferente do homem, que fica excitado de forma mais espontânea, a mulher precisa estabelecer relações complexas, envolvendo diversos fatores de ordem emocional, física e psicológica para sentir o ápice do prazer. Por motivos orgânicos ou psicossociais, ela pode ter dificuldade em encontrá-lo.

Anorgasmia feminina do tipo primário

Essa categoria coloca todas as mulheres que nunca conseguiram atingir o orgasmo na lista da anorgasmia , seja durante a prática sexual ou como resultado da masturbação. Nesses casos, a dificuldade em atingir o orgasmo é uma condição que sempre esteve presente na vida da pessoa.

Anorgasmia feminina do tipo secundário

A classificação da anorgasmia feminina do tipo secundário refere-se a uma dificuldade que nem sempre esteve presente na vida da mulher, mas que surgiu em um determinado momento. Sendo assim, após um tempo em que os orgasmos são experimentados normalmente, a mulher começa a enfrentar dificuldades para atingir o clímax.

Em termos gerais, quando você aprende a alcançar o orgasmo, não perderá essa capacidade, a menos que haja problemas, como má comunicação sexual, conflitos no relacionamento, experiências traumáticas, transtornos de humor, distúrbios físicos etc.

Anorgasmia feminina do tipo situacional

anorgasmia feminina do tipo situacional se dá quando a impossibilidade de ter orgasmos se limita a certas situações ou condições específicas. Um exemplo, a mulher consegue atingir o clímax apenas com certas pessoas ou somente recebendo determinadas formas de estímulos.

Como tratar a anorgasmia

Não há como tratar a anorgasmia sem conhecer a causa do problema. O diagnóstico não pode se basear em apenas uma relação, mas sim no histórico da paciente. Quanto antes se descobrir os motivos que levam a mulher a não conseguir gozar, mais rápido será o tratamento e a descoberta de uma solução.

É necessário que haja interesse de ambos os parceiros durante o tratamento, pois os dois contribuem no processo.

Assim que for identificado um problema na obtenção do orgasmo, a mulher deve procurar um ginecologista para ver se há causas orgânicas e diagnosticar corretamente um quadro de anorgasmia. Sexólogos, terapeutas e psicólogos podem completar o grupo multidisciplinar.

As conversas entre o casal são a principal chave para tratar o problema. Ambos precisam participar do tratamento para entender a situação, colaborando para quebra dos tabus e solução das dificuldades que impedem o prazer sexual. Podem ser necessários medicamentos, terapias e acompanhamento médico se a causa for orgânica.

Lembre-se que apenas algumas mulheres são capazes de atingir o orgasmo durante a penetração sem a estimulação do clítoris, então, se você não chega ao clímax apenas com a penetração, não precisa se preocupar, pois trata-se de uma situação absolutamente natural e, muito provavelmente, você não tem anorgasmia feminina. É interessante o contato com seu parceiro e dar ideias de mais preliminares para que toda sexagem encontre o caminho maior para o prazer.